<![CDATA[Noticias]]> http://www.fne.pt Wed, 26 Apr 2017 12:51:49 +0100 Wed, 26 Apr 2017 12:51:49 +0100 (fne@fne.pt) fne@fne.pt Goweb_Rss http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss <![CDATA[V Convenção Nacional 2017]]> http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7707 http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7707 Realiza-se no próximo dia 27 de maio de 2017, no auditório da Universidade Fernando Pessoa, na cidade do Porto, a "V Convenção Nacional" coorganizada pela Andaep, Confap e FNE.

Este ano o tema escolhido para debate foi "A Avaliação na Educação para uma escola de qualidade e de equidade - desafios, soluções e consequências na progressão de estudos".

A Convenção deste ano terá o seguinte PROGRAMA:


09h00m
- receção aos participantes

09h30m
- sessão de abertura            

> Reitor da Universidade Fernando Pessoa            
> Presidente da ANDAEP            
> Presidente da CONFAP            
> Secretário-Geral da FNE  

10h00m
- Painel "A Avaliação na Educação para uma escola de qualidade e de equidade - desafios, soluções e consequências na progressão de estudos, no quadro da avaliação e da progressão dos alunos e do acesso ao ensino superior"                        

> Doutor Helder Sousa, Presidente do IAVE            
> Doutor José Augusto Pacheco, Universidade do Minho             

Debate
 

12h30m - Intervalo para almoço

14h30m
- Painel "A Avaliação na Educação para uma escola de qualidade e de equidade - desafios, soluções e consequências na progressão de estudos, no quadro do desenvolvimento do perfil do aluno à saída da escolaridade obrigatória"            

> Doutor João Costa, Secretário de Estado da Educação            
> Doutor Bravo Nico, Universidade de Évora           
> Mestre Lurdes Figueiral, Presidente da Associação de Professores de Matemática  

Debate


17h00m
- sessão de encerramento 
          
> Presidente da ANDAEP            
> Presidente da CONFAP            
> Secretário-Geral da FNE




CARTAZ DA V CONVENÇÃO NACIONAL - 2017 | ANDAEP / CONFAP / FNE

Convenção Nacional 2017

V CONVENÇÃO ANDAEP-CONFAP-FNE

27 de maio de 2017 Porto
Auditório da Universidade Fernando Pessoa


"A Avaliação na Educação para uma escola de qualidade e de equidade - desafios, soluções e consequências na progressão de estudos". 


FAÇA AQUI A SUA INSCRIÇÃO
(disponível até às 18:00h do dia 22 de maio 2017)




]]>
Wed, 26 Apr 2017 00:00:00 +0100
<![CDATA[Plenário de Sindicatos da FNE - 18 de abril 2017 ]]> http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7706 http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7706
]]>
Mon, 24 Apr 2017 00:00:00 +0100
<![CDATA[Governo não cumpre em matéria de vinculação]]> http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7702 http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7702 Direitos dos educadores e professores são desprezados. A lei não é tida nem achada por quem, num tempo não muito distante, se apresentou como paladino da luta contra a precariedade. Em face disso, correm os trâmites do processo judicial interposto pelo SPZC no Tribunal de Coimbra

Estando a decorrer o período de concurso interno, externo, contratação inicial, reserva de recrutamento e de integração extraordinário, o SPZC não pode deixar de manifestar a sua profunda discordância relativamente às soluções impostas pelo Governo e que mereceram da nossa parte firme oposição.

Nenhuma justificação existe para se manter a situação de precariedade com que os docentes são confrontados pela aplicação da malfadada norma travão que continua, ao arrepio da Diretiva Europeia 1999/70 CE, a impor aos docentes uma exigência de renovação contratual que vai além do que a mesma exige.

Em face disso, o SPZC demandou judicialmente o Ministério da Educação (ME), cujos termos correm no Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra.

Sem embargo desta questão que consideramos violadora dos mais elementares direitos dos docentes, também a portaria de vinculação extraordinária, conexa com o diploma concursal, exige para uma vinculação dos docentes que os mesmos sejam detentores de 12 anos de serviço, sendo que nos últimos 6 anos escolares têm de ter contabilizado 5 contratos em horários anuais e completos.

Ora, as exigências constantes deste normativo são também uma forma de limitar a um número muito reduzido de docentes a possibilidade de acesso a um lugar que lhes permita uma estabilidade pessoal e familiar, possibilitando um exercício profissional compatível com a elevada exigência da sua função.

Para além destas questões de fundo que considerámos inultrapassáveis, este diploma de concursos continuou a não definir, nomeadamente, o que deve ser entendido por necessidades transitórias, o que se deve entender por uma dotação adequada de quadros, bem como continua a não rever a dimensão geográfica dos Quadros de Zona Pedagógica.

Com esta atitude, o ME mantém uma aposta na precariedade e na utilização de mão de obra descartável que é incompatível com o exercício profissional docente, tendo em conta, por um lado, o grau de formação e especialidade dos seus profissionais e, por outro, a qualidade da Educação que se pretende para o país.

O SPZC manifestou e reitera a sua frontal oposição às opções encontradas pelo ME e irá por todas as formas ao seu alcance contestar as mesmas de modo a que sejam respeitados os direitos e as legítimas expectativas dos docentes.

]]>
Fri, 21 Apr 2017 00:00:00 +0100
<![CDATA[Editado o Volume III do PISA 2015]]> http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7703 http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7703
Os resultados do PISA mostram aos educadores e decisores políticos a qualidade e a equidade dos resultados de aprendizagem alcançados noutros países e permitem-lhes aprender com as políticas e práticas aplicadas noutros países.

O volume III do PISA 2015 é um dos cinco volumes que apresentam os resultados totais do estudo PISA 2015, naquela que é a sua sexta edição trienal, desde 2000.

"O bem-estar dos alunos" explora um conjunto abrangente de indicadores de bem-estar para adolescentes, que cobrem tanto os resultados negativos (por exemplo, ansiedade ou baixo desempenho) como os impulsos positivos que promovem o desenvolvimento saudável (interesse, envolvimento, motivação para alcançar, entre outros).

Os jovens passam uma quantidade considerável de tempo na escola, seguindo aulas, socializando com colegas e interagindo com professores e outros membros da comunidade educativa. O que acontece na escola - bem como em casa - é de facto fundamental para compreendermos se os estudantes gozam de boa saúde física e mental, o quão feliz e satisfeitos estão com diferentes aspetos das suas vidas, como se sentem interligados com outros e as aspirações que eles têm para o seu futuro.

Este terceiro volume de resultados do PISA 2015 mostra como a educação ajuda os jovens a desenvolver não só conhecimentos e competências cognitivas mas também as competências sociais e emocionais, assim como a capacidade de resistência para ultrapassar desafios presentes e futuros. Os sistemas educativos podem atender a essas necessidades, pois tornar as escolas felizes e termos comunidades interessadas é um objetivo por que vale a pena lutar.

Os dois primeiros volumes dos resultados do PISA 2015 foram publicados em 6 de dezembro de 2016.
]]>
Fri, 21 Apr 2017 00:00:00 +0100
<![CDATA[Perfil dos Alunos para o século XXI]]> http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7704 http://www.fne.pt/pt/noticias/detail/id/7704
A solicitação do parecer incide sobre um relatório de trabalho, o que permite ao CNE contribuir para uma reflexão em torno do documento base, que constitua uma valorização do mesmo. O CNE salienta a relevância da temática, presente em estudos, pareceres, recomendações e publicações, a nível nacional e internacional, ao longo das últimas três décadas, com particular incidência no período decorrente após a viragem para o século XXI.

O CNE sublinha, também, a importância do documento, que constitui um referencial estruturante para a educação escolar nos próximos anos, assim como a sua oportunidade, perante o alargamento da escolaridade obrigatória de doze anos.

O parecer estrutura-se em três partes: uma primeira em que se efetua uma contextualização, tão breve quanto possível, designadamente a nível internacional, bem como um enquadramento conceptual de "competências", com base no Relatório Técnico Perfil do aluno - competências para o século XXI, que acompanha o presente parecer. Procede-se, de seguida, a uma apreciação global do documento e apresentam-se algumas recomendações.
]]>
Fri, 21 Apr 2017 00:00:00 +0100